A História da Criação do WhatsApp - Kedson Angelo

Quer Vender Todos Os Dias Usando A Internet?

Saiba Como Criar Campanhas de Vendas Que Vendem Todos os Dias!

Seus dados estão seguros

A História da Criação do WhatsApp

Marketing Digital , Uncategorized | Por: | 3 nov 2016 | Comentários desativados em A História da Criação do WhatsApp

Curiosidades sobre a história da criação do WhatsApp

Tenho quase certeza que você usa o WhatsApp, mas você sabe como surgiu esse aplicativo?

Recentemente conheci a história da criação do WhatsApp e algumas particularidades do início desse que é o aplicativo de mensagens mais utilizado no mundo. Hoje com mais de 1 bilhão de usuários no mundo e mais de 100 milhões no Brasil.

Farei um resumo da história da criação do WhatsApp e destacarei três lições práticas de marketing extraídas desse icônico aplicativo, que foi criado em 2009 pelo ucraniano radicado nos EUA Jan Koum.

Jan Koum - Criador do WhatsApp
Jan Koum - Criador do WhatsApp

Ele estava desempregado e quase sem dinheiro quando decidiu criar um aplicativo para troca de mensagens entre seus amigos e não fazia ideia que cinco anos depois o venderia por US$ 22 bilhões. Jan Koum chegou aos Estados Unidos aos 16 anos de idade, seu pai trabalhava na construção civil (pedreiro em português claro) e sua mãe era baby-sitter (a famosa babá) eles recebiam ajuda do serviço de assistência social (um tipo de bolsa família americano), trabalhou em um restaurante fast-food.

Tornou-se fanático por computadores, passava o dia aprendendo a programar ou em chats com pessoas que compartilhavam seus interesses. Conseguiu entrar na faculdade de ciências da computação em uma universidade no Vale do Silício, mas abandonou os estudos quando conseguiu em emprego no Yahoo!. O que ele fazia nesse emprego por quase dez anos era escrever anúncios publicitários para o portal, fez isso tantas vezes que prometeu a si mesmo que nunca mais trabalharia com qualquer tipo de publicidade. Esse deve ser um dos motivos de não haver publicidade no WhatsApp, inclusive uma das condições inegociáveis das conversas que antecederam a venda para o Facebook. De nunca haver qualquer tipo de publicidade no aplicativo.

Saiu da Yahoo! em 2008, utilizou todo o dinheiro que tinha para viajar por um ano inteiro pelo mundo, junto com um amigo Brian Acton, que se tornou sócio no negócio e foi o responsável por conseguir os primeiros investidores na empresa recém criada por eles.

Em 2009 Jan Koum começou a desenvolver um aplicativo para o novo iPhone. O objetivo era criar um sistema de mensagens de texto gratuito, igual ao SMS, que fosse fácil de usar e funcionasse com base nos números da agenda do telefone de cada usuário. Essas características foram fundamentais para que o aplicativo de mensagens se tornasse um "vírus" e se espalhasse rapidamente. Sem gastar um único centavo para divulgar a novidade, em poucos meses, o aplicativo já estava instalado em milhares de telefones em todo o mundo.

A medida que o número de usuários foi crescendo eles precisavam de servidores mais potentes e tinham mais trabalho para atualizar e manter no ar o aplicativo. Logo, a necessidade de recursos se tornou urgente e Brian Acton, conseguiu os primeiros US$ 250 mil de investimento inicial, que possibilitou a contratação de pessoas para dar suporte. Então vieram as primeiras atualizações, quando a nova versão do WhatsApp possibilitava enviar e receber fotos, a base de usuários teve um salto espetacular.

Logo o WhatsApp se tornou famoso e era considerado a nova estrela do mundo dos aplicativos, o que chamou atenção de muitos investidores. Porém Jan Koum não dava muita bola, o único que conseguiu convence-lo a aceitar grana para investir no crescimento foi Jim Goetiz do fundo Sequoia Capital. Que de cara colocou US$ 8 milhões no aplicativo, e em 2013 desembolsou mais US$ 50 milhões.

Jan Koum raramente dá entrevistas, quando foi questionado a que se deve o enorme e repentino sucesso do WhatsApp ele responde: - "Nós nos concentramos em melhorar o produto e tentar fazer funcionar como uma agenda de contatos, o que contribuiu para que o aplicativo se tornasse amplamente conhecido sem que fosse preciso gastar para promovê-lo. Além disso, as mensagens chegam rapidamente, mesmo que a conexão seja precária. Também foi importante o fato de o aplicativo estar disponível para todas as plataformas e sistemas operacionais. E, finalmente, todo mundo que escrever algo quer que a outra pessoa leia e responda, em qualquer lugar do planeta em que esteja. A comunicação está em nosso DNA e o WhatsApp surge para conectar pessoas".

Em 2014 ele assinou os papéis da venda do aplicativo em frente ao prédio onde anos antes recebia o "bolsa família", essa transação o colocou no seleto clube dos bilionários da área de tecnologia, com uma fortuna pessoal estimada em US$ 7 bilhões.

Mas que lições de marketing pode-se tirar da história do WhatsApp, um aplicativo que nem mesmo usa publicidade?

Vamos lá, acredito que muita coisa em Marketing pode ser aprendida dessa história. Vou extrair apenas três lições.

Primeiro:  A validação do produto é essencial para seu sucesso!

O cara só queria criar um negócio legal para todos os seus amigos usarem. Inicialmente ele não tinha ideia que esse "aplicativozinho" que ele estava criando o tornaria bilionário. Ele queria apenas que todos os manos usassem e se beneficiassem com a ideia que ele teve, eles usaram, aprovaram, o negócio foi validado e logo passou para outro nível.

Essa é a verdade número 1 do Google, concentre-se no usuário o resto será consequência. Ele concentrou-se em fazer o melhor aplicativo para um grupo restrito de pessoas, o negócio foi tão bom que se espelhou para o mundo todo.

Fazer marketing de um produto merda, não adiante nada!

Segundo:  Se o produto é bom, não precisa gastar com publicidade!

Esse é o sonho de todo mundo, ter um produto que todo mundo quer e todo mundo usa, e que não precisa investir nada em publicidade.

Nunca gastaram um centavo sequer para promover o WhatsApp. O negócio se espalhou como um vírus. As pessoas vêem os outros usando e querem entrar na onda também. Sem um produto fantástico é impossível conseguir isso.

A prova é que outros aplicativos de mensagens concorrentes do WhatsApp mesmo investindo em publicidade, gastando milhões contratando garotos propaganda, como foi o caso do WeChat em que Lionel Messi protagonizou a campanha de lançamento na TV, não conseguiu o mesmo resultado do WhatsApp. Prova disso é que possivelmente você nunca havia ouvido falar desse tal de WeChat.

Terceiro:  É possível ganhar dinheiro com marketing, sem fazer marketing!

Esse é um ponto divergente para a maioria. Como o Facebook ganha dinheiro com o WhatsApp, já que ele não usa nem usará qualquer tipo de publicidade paga?

Em recente atualização dos termos de uso do WhatsApp foi incluído um termo que permite que os seus dados e informações que você compartilha sejam usados pelo Facebook (que é o dono do WhatsApp) para melhorar a experiência de publicidade fora do WhatsApp. Na prática é difícil explicar como o Facebook vai usar isso, mas o fato é que o Facebook (hoje mais uma plataforma de mídia, que uma rede social) que ganha absurdos com a venda de espaço publicitário vai se beneficiar de tudo que for possível para melhorar a segmentação da comunicação de publicidade veiculada.

É isso aí, agora você já conhece a história da criação do WhatsApp e aprendeu algumas lições práticas de marketing encima disso.

Comenta aí se você vê alguma outra aplicação que pode ser tirada dessa história!


Sobre o Autor


Kedson Angelo é especialista em Marketing Digital, presta consultoria em Vendas Online, estrategista de lançamentos de serviços e produtos digitais. [Saiba mais]

Paginação entre posts

Posts Relacionados


Não há posts relacionados.

Comentários


Comments are closed.